" />

Entrevista com Joana Penna – ilustradora dos livros Diário de Pilar

Joana Penna é uma renomada artista brasileira que ficou conhecida especialmente pela sua colaboração como ilustradora na série de livros infanto-juvenis Diário de Pilar, escrito pela Flávia Lins e Silva e publicado pela editora Zahar. A série vem conquistando crianças em diversos países onde foi publicada como França, Alemanha, México, Argentina, Espanha, China e Polônia.

Natural do Rio de Janeiro, Joana Penna graduou-se em Design Gráfico na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em 1997 e neste mesmo ano partiu para Barcelona onde estudou design, caligrafia e ilustração na EINA Design School. Posteriormente, mudou-se para Londres, onde se dedicou mais um ano e meio em estudos na Central Saint Martins e na Camberwell School of Arts.

Joana passou uma temporada de quatro anos na Ásia desbravando o Sri Lanka, onde assumiu cargos em duas empresas e também registrou suas impressões sobre os países que conheceu em alguns diários. Apaixonada por viagens, ela rumou para os EUA e retomou os seus estudos em artes e também a carreira como ilustradora. Em Nova York, estudou na School of Visual Arts e fez aulas de encadernação no Center for Book Arts.

Além de ilustradora, Joana leciona aula de artes para crianças em New Jersey, onde mora atualmente, e trabalha desde 2017 para a Globo News criando animações para programa Manhattan Connection. Além da série Diários de Pilar, Joana Penna contribuiu como ilustradora em outros livros infantis publicados por editoras brasileiras. Recentemente, Joana também começou a trabalhar em um projeto incrível que tem a premissa da “arte como terapia de cura” e é desenvolvido pela fundação Artworks, The Naomi Cohain Foundation, que busca artistas para darem aulas de artes para pacientes pediátricos em hospitais.

Em entrevista exclusiva com Joana, pudemos conhecer um pouco mais de sua trajetória como ilustradora, de seu processo criativo e de trabalho e também a artista deu dicas valiosíssimas para quem está começando a se aventurar no mundo da arte. Confira abaixo:

PB – Joana, poderia nos contar como você começou a ilustrar?

Joana Penna – Eu cresci vendo a minha mãe pintar. Ela pintava a óleo, uma modalidade que nunca tentei, mas que tenho bastante vontade de aprender algum dia. Minha infância sempre foi acompanhada de materiais de desenho e pintura. Os presentes que eu ganhava em sua maioria eram lápis, canetinhas, blocos de papel. Acho que a questão não é como se começa a pintar, mas sim em qual momento você parou. Eu nunca parei. Afinal toda criança desenha, mas em algum momento, por algum bloqueio ela para. Na minha monografia de conclusão do curso de Design eu pedi para que várias pessoas desenhassem uma joaninha e recebi como resposta que não sabiam desenhar. Algo bem simples, uma bolinha vermelha, com pintinhas pretas, ateninhas e as pessoas diziam que não sabiam pintar. Justamente porque em algum momento elas pararam, criaram essa ideia de que não sabiam desenhar. Eu frequentei quando criança uma escola que tinha um excelente programa artístico, muitas das minhas amigas também desenhavam, mas cada uma seguiu uma profissão diferente. Eu sempre estava desenhando e continuei desenhando até hoje.

PB – Conte um pouco sobre as suas viagens. Você costuma viajar bastante? Como concilia essa rotina?

Joana Penna – Eu amo viajar. Quando era criança brincava que queria ser aeromoça. A época que mais viajei foi na faculdade. Fui para Barcelona estudar, depois mochilei pela Europa. Conheci o meu marido, que é inglês, na Grécia, nos casamos e costumávamos viajar bastante. O ritmo deu uma diminuída quando os meus dois filhos nasceram, o Tom e a Sofia. Agora viajamos em família, as crianças já conheceram mais lugares do que eu conheci com a idade deles.

PB – As viagens te ajudaram na criação das ilustrações dos Diários de Pilar?

Joana Penna – Com certeza. Por mais que a gente encontre referências visuais na internet, a viagem proporciona referências sensoriais e emocionais que nenhuma fotografia é capaz de proporcionar. Quando fui ilustrar Pilar em Machu Pichu, viajei para o Peru, pois ainda não conhecia o destino. Fui atrás destas referências. Também teremos em breve o novo livro Diário de Pilar na Índia. Já tive a oportunidade de viajar para a Índia e o país que tem toda uma impressão sensorial, os cheiros das especiarias.

PB – Você ainda costuma fazer diários de viagem? Possui também um caderno de criatividade?

Joana Penna – Faço ainda diários das minhas viagens e sempre levo na bolsa caderno, papel, lápis e canetinhas. Em 2017 fui a Paris com a minha filha e fiz um diário. Já em uma viagem recente pelo México fiz diversos desenhos, sempre tenho o hábito de desenhar onde eu esteja. Vou guardando estes desenhos e eles podem me servir de referência para algum trabalho. Fomos agora no Natal e Réveillon passado levar nossos filhos para conhecerem o Sri Lanka, e fiz um diário. Encorajo meus filhos a fazer também. Meu filho Tom fez um diário muito legal dessa viagem. No diário, e com desenhos, registramos impressões diferentes do que nas fotos. Anos depois, quando se relê um diário de viagem, há várias informações e impressões que já não nos lembrávamos, e não são resgatadas nas fotos. Por isso, ainda mantenho o hábito de fazer diários de viagens, mas geralmente só à caneta. Não dá tempo de pintar com aquarela depois. Então tenho vários diários que ainda estão em preto e branco! E acho que vai acabar sendo um projeto para quando me aposentar: terminar de pintar meus diários de viagens!

PB – Quais os livros você costumava ler quando era criança?

Joana Penna – Em casa tinha uma coleção linda de livros do Monteiro Lobato em capa dura que foram da minha mãe, então eu costumava lê-los bastante. Também costumava ler uma coleção de livros ilustrados do Eliardo França e Mary França.  Lembro-me de ler Pipi Longstocking, inclusive já me chamaram a atenção sobre o fato de a Pilar lembrar um pouco a Pipi, por causa das tranças. Acaba sendo uma espécie de referência que trago desde criança.

PB – Quais são os artistas que você admira e que de alguma maneira inspiram o seu trabalho?

Joana Penna – Quando era pequena principalmente Picasso e Matisse. Tem uma frase muito legal de Picasso que levo para a minha vida que é “Demorei a vida inteira para desenhar como criança”. E é exatamente isso, no começo você se prende muito à técnica, a desenhar bem, mas com a maturidade você finalmente encontra o seu jeito de se expressar. Também costumava ler bastante Asterix e Tintim, inclusive o traço da Pilar é inspirado em Tintim, como se pode observar pelo formato dos olhos, por exemplo. Eu trouxe muita coisa do traço do Tintim como referência para criar a Pilar. De Asterix aproveitei a ideia da primeira página de introdução que sempre trazia um texto sobre a aldeia. No caso de Pilar, temos um texto introdutório que fala sobre a personagem, explica a escolha de suas roupas e etc. Também gosto de um livro sobre criatividade chamado Roube como um Artista. Admiro muito o trabalho de Quentin Blake (ilustrador dos livros do Road Dahl), da ilustradora Mariana Massarani, Melissa Sweet, Oliver Jeffers, da tcheca Květa Pacovská, da canadense Isabelle Arsenault, do Roger Melo e do Guto Lins, que foi meu professor e hoje é um grande amigo. Gosto de Tim Burton que muitas pessoas conhecem o trabalho como diretor, mas que também é um ilustrador incrível.

PB – Poderia nos falar um pouco sobre seu processo de trabalho? Você costuma criar tudo digitalmente ou de maneira manual?

Joana Penna – Para as animações do Manhatan Conection, que é voltado para um público adulto e muitas vezes têm caricaturas de políticos, as Animações são feitas digitalmente. Já para a ilustração de livros infantis crio tudo manualmente. Após fazer a primeira leitura do texto, começam a surgir as ideias de ilustrações. Então inicio os esboços a lápis no papel, vou fazendo anotações e rascunhos ao lado do texto mesmo, já estruturando as paginações. Vejo se a cada duas páginas, por exemplo, terá ilustração. Em seguida passo os desenhos a lápis para o papel de aquarela com o auxílio de uma mesa de luz. Depois começo a pintá-los com aquarela. Finalizado todo esse processo, escaneio as ilustrações e a fase seguinte é feita no computador. Como já tive muito problema de querer mudar, por exemplo, as posições da Pilar em um cenário e não conseguir, passei a criar todas as partes separadas, ou seja, desenho o fundo e a personagem separadamente e no computador eu faço um processo de colagem das ilustrações. Também é no computador que coloco sombra ou altero a tonalidade. Por fim, com o auxílio do Indesign, finalizo o projeto.

PB – Qual foi o seu maior desafio na criação das ilustrações dos Diários de Pilar?

Joana Penna – O maior desafio no processo de criação da Pilar foi encontrar o traço certo. Algo que eu poderia recriar diversas vezes. Quando fui convidada a ilustrar Os Diários de Pilar, a Flávia Lins e Silva já tinha 3 livros da série publicados, mas cada um com um traço diferente. Conversamos sobre a importância de a personagem ter uma identidade visual. Essa identidade visual é criada não só pelo traço da personagem e a técnica escolhida, mas também pela logo do título do livro, pelo projeto gráfico (fonte, páginas com pauta como um diário, uso de elementos fotografados no livro e não apenas ilustração, listas e anotações da Pilar, etc). Minha formação é de designer, e o visual dos livros da Pilar foram concebidos com o projeto gráfico e ilustrações pensados juntos, ambos feitos por mim. Geralmente esse processo é feito por duas pessoas diferentes. O ilustrador faz apenas as ilustrações, e a editora faz a paginação e design do livro. No caso do Diário de Pilar, eu recebo o texto da Flávia e entrego para a editora o livro todo paginado e ilustrado, pronto para ser impresso. Desenvolvi a Pilar com um traço simples, pensando que ela deveria estar em diferentes situações, poses e transmitir diferentes emoções sem que isso modificasse o traço. Por exemplo, ela tem o olho que é uma bolinha, como eu faria um olhar arregalado para transmitir espanto? Pensei todas essas questões no projeto a longo prazo. O primeiro livro foi lançado há 10 anos e já fizemos 8 livros desde então. Sempre que vou criar ilustrações para um novo livro, coloco os antigos na minha frente, porque o traço da personagem não pode mudar. Além disso, queríamos criar uma personagem original, fofa, que tivesse uma conexão com as crianças, uma personagem com a qual as crianças poderiam se fantasiar. Por esse motivo ela está sempre com a mesma roupa nas histórias, embora apareça com algum ou outro adereço ou roupa diferente, a roupa da Pilar é sempre a mesma. Definimos também que ela teria sempre a mesma idade e embora os leitores fiquem mais velhos, sempre vão surgindo novos leitores com a mesma idade da Pilar.

PB – Qual dica você daria para quem está começando a desenhar, ilustrar ou criar algum tipo de arte?

Joana Penna – Tenha sempre lápis e papel em mãos. Desenhe bastante, pois o que importa é o processo e não o resultado. Não se sinta frustrado se os desenhos não saírem da forma como você imagina, porque a nossa mão não acompanha mesmo a mente. Por isso, fique de bem com o que você fizer. Simplesmente faça. Se algo der errado, transforme. Nunca apague. Eu não deixo que os meus alunos usem borracha, deixo muito material disponível, porque aquilo que deu errado em determinado momento, pode ser aproveitado depois. Tem um livro muito legal que fala exatamente sobre isso e se chama Beautiful Oops que mostra como um erro pode ser transformado em algo bonito, basta usar a criatividade.


Acesse a galeria para admirar mais a obra de Joana Penna no Pinterest: https://br.pinterest.com/thaisslaski/arte-mat%C3%A9rias-do-site/joana-penna/


Crédito Imagens:
https://www.instagram.com/joana.penna/
https://joanapenna.com.br/

Compartilhe com seus amigos