" />

Von Martius – Desvendando as riquezas naturais do Brasil do século XIX

Renomado médico, botânico e antropólogo, Von Martius foi também um pintor naturalista e um dos responsáveis por catalogar as riquezas naturais brasileiras à partir de uma expedição que se iniciou em 1817 e durou cerca de 3 anos. Seus estudos e descobertas, além de classificar os biomas brasileiros tal qual os conhecemos hoje, também registrou mais 22 mil espécies de plantas. Seus desenhos resultaram em importantes publicações sobre o território, cultura e costumes da sociedade brasileira do século XIX.

Carl Friedrich Philipp von Martius nasceu em 17 de abril de 1794 na cidade de Erlangen, no estado da Baviera, Alemanha. Seu pai era do ramo farmacêutico, o que influenciou na escolha de Von Martius por estudar medicina. Seu interesse por botânica emergiu ainda na faculdade, sendo tema do seu trabalho de conclusão de curso.

A amizade com o cientista e zoólogo Johann Baptist von Spix lhe permitiu ingressar na Academia de Ciências da Baviera, porta de entrada para a missão que seria a mais importante da sua vida e que o trouxe ao Brasil em uma expedição científica.

No século XIX o Brasil já despertava interesse mundial, principalmente dos países do Velho Mundo. Muito do seu território e oportunidades eram uma incógnita e as expedições com o intuito de desbravá-lo poderia colocar qualquer país em vantagem sobre os demais. Assim pensando, o Estado Bávaro uniu forças com a Áustria.

Aproveitando a comitiva que levava a arquiduquesa austríaca Leopoldina para o seu casamento com o futuro imperador brasileiro, o príncipe Pedro I, Von Spix e Von Martius embarcaram a caminho das terras brasileiras com o intuito de desvendar o máximo possível sobre as suas inexploradas riquezas. Fazia parte da expedição também o aquarelista Thomas Ender.

Encarregado da seção de botânica, Von Martius desembarcou em 15 de julho de 1817 no Rio de Janeiro onde iniciou as suas expedições, depois seguiu para São Paulo e Minas Gerais. Após desbravar a região sudeste, esteve em Goiás e Bahia, atravessando posteriormente os sertões de Pernambuco, Piauí e Maranhão, parte da viagem que se revelou absolutamente desafiadora e perigosa. Por fim, percorreram durante 8 meses a região da bacia do Rio Amazonas até alcançar a fronteira com a Colômbia.

Uma doença acometeu Von Spix, chefe de zoologia da expedição, o que fez o grupo antecipar o retorno à Alemanha. De volta ao seu país natal, em 1820, Von Martius dedicou-se em compilar seus estudos e transformá-los em valiosas publicações e que são referências até hoje sobre o Brasil. Uma destas publicações é o livro Viagem ao Brasil, concebido em conjunto com Von Spix. Porém foi Flora Brasiliensis, a obra mais importante de Von Martius e que alçou o seu nome internacionalmente. Dividida em 40 volumes, conta com 20.733 páginas escritas ao longo de 66 anos, por isso, Von Martius não viu a sua conclusão.

Martius faleceu em Munique, Alemanha, em 13 de dezembro de 1868.  Ao longo de sua vida, Von Martius somou mais de 200 publicações, onde reuniu dados não apenas sobre a vegetação brasileira, mas também sobre os seus costumes e formação da identidade nacional do Brasil. A divisão dos biomas brasileiros em Mata Atlântica, Amazônia, Caatinga, Cerrado e Pampa foi proposta por Von Martius à partir de seus estudos e persiste até os dias atuais.

Acesse a Pasta de Exercício no Pinterest para conhecer mais sobre o artista: https://br.pinterest.com/thaisslaski/arte-mat%C3%A9rias-do-site/von-martius/

Crédito Imagens:
https://www.itaucultural.org.br/
https://www.bbc.com/
https://ims.com.br/exposicao/
Compartilhe com seus amigos